Outubro Rosa Reluzente

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama. 

A história do Outubro Rosa remonta à última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade (www.komen.org). 

Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas ações eram e são até hoje direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce. Para sensibilizar a população inicialmente as cidades se enfeitavam com os laços rosas, principalmente nos locais públicos, depois surgiram outras ações como corridas, desfile de modas com sobreviventes (de câncer de mama), partidas de boliche e etc. (www.pink-october.org). 

A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros e etc. surgiu posteriormente, e não há uma informação oficial, de como, quando e onde foi efetuada a primeira iluminação. O importante é que foi uma forma prática para que o Outubro Rosa tivesse uma expansão cada vez mais abrangente para a população e que, principalmente, pudesse ser replicada em qualquer lugar, bastando apenas adequar a iluminação já existente. 

A popularidade do Outubro Rosa alcançou o mundo de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos em em torno de tão nobre causa. Isso faz que a iluminação em rosa assuma importante papel, pois tornou-se uma leitura visual, compreendida em qualquer lugar no mundo.

Fonte: http://outubrorosa.org.br/historia/

No início do mês fui convidada pela Juliana Oliveira e pela Marta Pegorelli a participar de uma exposição No Iguatemi com o tema “Outubro Rosa”.
Confesso, sempre achei lindas as ações mas nunca me aprofundei no assunto. Resolvi pesquisar.
Pesquisei bastante, vi muitas fotos, conversei com algumas pessoas e vi nas pessoas com as quais conversei histórias lindas de mulheres que superaram seus limites e que apesar dos momentos confusos, de fraqueza e até de descrença, ergueram a cabeça e venceram.
Tudo foi muito rápido e meio confuso.
O mais difícil nesse desafio era não conhecer a modelo antes.
Quem acompanha o Blog sabe o quanto meus trabalhos são pessoais e conhecer as pessoas é essencial para uma boa foto porque não faço isso pra mim, faço pra quem é fotografado. Como fazer algo para alguém sem conhecer?
Meu trabalho parte da pessoa, é uma troca. eu dou meu olhar e crio sobre uma história.
A questão é que eu não tinha uma história específica, só algo genérico sobre algo muito importante na vida dessa mulher imaginária até então.
E como o Universo às vezes arma uma baita confusão pra no final tudo dar mais do que certo incialmente deu tudo errado.
A idéia era fotografar uma mãe, algo bem a minha cara. Mas a mãe só podia em um horário X e a foto tinha que ser feita obrigatoriamente no estúdio onde todas as outras fotos seriam feitas e eles não tinham esse horário X.
No dia que era pra foto ser feita várias modelos que ainda estavam em tratamento passaram mal e não puderam ir. Fiquei sem modelo!
Eu estava tensa porque teria que fazer a foto rapidamente (rápido mesmo, coisa de uma hora, no máximo) em um estúdio lindíssimo, porém desconhecido pra mim, sem conhecer a modelo antes e com muitas pessoas por perto.
E no final não tinha modelo. Vi algumas fotos sendo feitas e voltei pra casa sem expectativa de fazer a minha foto.
No dia seguinte, surgiu uma modelo, aí não deu certo, surgiu outra… e finalmente a Ju entrou em contato para falar sobre a Edleuza.
Aí nos mobilizamos para que tudo acontecesse.
A foto seria feita em nosso estúdio ( Obaaaaaaaaa!).
Fomos buscar a Edleuza em sua casa e ela me chamou pra entrar, mostrou seus trabalhos artesanais, os porta-retratos com lindas fotos suas, falou muito sobre o Grupo Rosa e Amor, do qual participa ativamente e no final, conseguimos nos conhecer um pouco sem pressa, sem tensão, tudo tranquilamente, no nosso tempo.
Sabe aquelas coisas que precisam dar muito errado pra depois dar certo?
Pois é… foi assim.
A sessão foi feita em nosso estúdio e contou com um anjo que participou e fez a mágica acontecer, a pecinha que faltava pra tudo ficar perfeito.
Na correria de fazer aqui no estúdio e não no local planejado ficamos sem a equipe do projeto.
Como fazer assim, de última hora, pra arrumar alguém pra nos auxiliar?
Liguei pra Maira Munhoz sem muita esperança porque ela é super ocupada mas ela topou na hora e mesmo com a confusão de termos mudado de horário conseguiu vir, adequou sua agenda a nós, deixou uma cliente esperando um pouquinho e veio participar da nossa bagunça.
A participação da Maira não foi só importante, foi essencial. Junto com ela veio a alegria, já começamos a sessão sorrindo.
Ao invés de uma hora, ficamos cerca de 3 horas no estúdio papeando e assim eu fui conhecendo a Edleuza, vendo o quanto ela gosta de sua família (ela falou de cada um dos filhos de uma forma super especial), o quanto é importante pra ela participar do Grupo Rosa e Amor como voluntária… descobri que ela gosta de passear com as amigas, que sua religião (ou seria filosofia?) a deixa feliz, que ela gosta de ir à sua casa na praia mas vai pouco, que ela tem uma cachorrinha super fofa e gorducha e que a família toda ama animais pois seu filho até criou uma casinha e um arranhador super criativos pra gatos (E eu ganhei os dois pra Frida que amou os presentinhos), que ela faz um bolo de arroz delicioso (não bolinho, bolo grande mesmo) e que é bom pra comer tomando café…
Eu não conseguiria saber tudo isso se não tivesse esse tempo gostoso com a Edleuza. E não conseguiria também o sorriso que resultou na foto da exposição, uma das últimas fotos de nossa sessão.

Edleuza é uma mulher magnífica! Além de linda ela é muito, muito feliz.

Foi maravilhoso conhecê-la. A terei comigo por toda vida!

Ah, e ontem, dia da abertura da exposição, foi aniversário dela. Tem presente maior?

A exposição 20 mulheres, 20 Fotógrafos e 1 causa estará no Shopping Iguatemi, ala nova, em frente ao Suplicy cafés especiais, até o final do mês.


 

 

Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail
UA-136012426-1