Camilinha – 1 mês

Pense em uma família de comercial de margarina… 

Pensou? Agora pode apagar isso da sua mente. Vai, apaga, passa a borracha, deixa o quadro branquinho (ou, se for mais velho, como eu, no quadro verdinho que chamavam de negro).
Agora desenhe aí uma família real. Mas tem que ser uma família linda, eim.
Vou dar mais dicas pra ir desenhando.
Essa família tem um pai que ama o filho de um jeito que os dois parecem irmãos.
Tem uma mãe linda e moleca, super companheira.
Eles gostam de aventuras e vivem junto o sonho do filhote que mesmo com a pouca idade já sabe o que quer.
Mas… assim, sem pressão, com muito apoio.
Está imaginando?
E pra completar essa família gostosa de se conviver chegou a Camilinha. Toda linda, cabeluda que só ela, com bochechinhas rosadas, olhar e sorriso de deixar qualquer um babando encantado com seu jeitinho.
Esse acompanhamento tem sido um presente. A cada mesversário tenho uma surpresa deliciosa. Um sorriso, uma piscadinha… tudo é novidade.
Poder ver uma criança e uma família crescendo diariamente é maravilhoso e cheio de surpresas boas.
Aos poucos Camilinha irá descobrindo a vida, evoluindo, aprendendo… e nos ensinando

Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail

Sobre a dor e a delícia de ser quem se é

Hoje eu tinha que escrever porque escrevo como uma forma de desabafo mas também pra expor o que penso, os motivos pelos quais penso assim.
Acordei cantando a música de Caetano  “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é…”.
Acordei assim porque fui dormir pensativa ontem, pensando sobre o que faço, sobre a importância disso na vida das pessoas e em como um só dia na minha vida pode ser recheado das mais diferentes emoções.
Ontem fui do melhor lado da minha profissão ao pior em segundos.
Fiz uma sessão linda. Não só a beleza das fotos, mas das pessoas. Aquele tipo de beleza que não se compra.
Fui super bem recebida naquela casa por toda a família.
Nada de comercial de margarina não, uma família real, maravilhosa, com o filho adolescente brincalhão e mega carinhoso, com um pai show que tem um brilho lindo nos olhos ao falar do filho com aquele orgulho que só os bons pais tem e a mãe, bom… essa é difícil descrever, precisariam ver pra entender. Pra fechar isso uma bebê linda que começou a sorrir agora e quando sorri faz acreditarmos no mundo.
Saí desse lar no fim da tarde com um pôr do sol maravilhoso se apresentando em um espetáculo no céu.
…. e neste momento imaginem passarinhos, árco-íris, unicórnios…. sim, assim eu estava me sentindo.
Cheguei em casa, baixei as fotos e amei cada uma delas não por estarem tecnicamente perfeitas mas porque essas fotos me farão lembrar o momento em que essa família abriu a casa pra mim e me deixou participar de seus melhores momentos, isso  é mágico, é o que me faz acordar todos os dias e saber que vale a pena.
Essa é a parte delícia (a música, lembram?)
Mas, infelizmente, tem a parte dor. Ah, a dor… é rara mas tem dias que corrói e que você tenta não se envenenar com ela.
A dor pra mim é ter o trabalho desvalorizado por alguém.
Ontem meu dia maravilhoso não fechou bem, tive uma situação indigesta no fim do dia e tento entendê-la até agora.
O caso: uma possível cliente liga para o estúdio no dia anterior pedindo que eu entrasse em contato. Eu não estava, me passaram o recado. Já havia enviado um orçamento pra ela mais de 2 meses antes e ela já tinha vindo ao estúdio ver meu trabalho, ficou de responder e sumiu.
Entrei em contato via e-mail perguntando em que poderia ajudá-la, ela pediu um novo orçamento para o mesmo evento que já havia pedido e que seria no dia seguinte (entendam… ela poderia ter fechado dois meses  antes mas entrou em contato um dia antes do evento). Ok, eu estava com o domingo livre, poderia fazer.
Ela não respondeu o e-mail rapidamente, achei que tivesse desistido, fui pra minha sessão (a que descrevi acima) e tive um dia lindo. Voltei saltitante pra casa, muito agradecida pelo dia quando, quase meia noite, me chega uma mensagem via whatsup.
A conversa foi mais ou menos assim:
Boa noite Kaká! Podemos fechar a seleção 2 pelo valor da seleção 1? O horário é amanhã as 12h mas pode chegar meia hora antes, o endereço é XXXXX.
Eu li e juro que não entendi. Tenho 4 seleções com álbuns e a 1 e a 2 são bem diferentes em quantidades de fotos e valores… a 1 tem 70 fotos, a 2 tem 110. Já vi pedirem desconto mas assim era um pouco demais…
Respondi: XX, não tenho como fazer 110 fotos pelo valor de 70.
E aí comecei a imaginar o que as pessoas pensam pra fazer uma proposta dessas… pra mim é uma desvalorização absurda do meu trabalho.
Fui dormir atordoada mas encerrei assim o assunto, dizendo que não poderia fazer por menos do que me propus.
Neste caso a pessoa não queria meu trabalho, ela queria um fotógrafo barato e pensou : Ah, Fulana está sem trabalho nesse dia então ela fará da forma que quero.
Mas no meio do caminho ela me encontrou…
Acordei com mensagem dela dizendo que fecharia a seleção 1, isso 6:30 da manhã. E aí me veio a grande questão (vejam o diabinho e o anjinho na minha cabeça). Dinheiro ou dignidade?
Respondi educadamente, encerrei a conversa e neguei o trabalho. É claro que preciso muito trabalhar mas ainda tenho ética de trabalhar para quem realmente quer meu trabalho.
Como resultado uma criança linda ficou sem fotógrafo pra sua festa, ela não terá a lembrança, que certamente merece, deste momento

Na minha cabeça durante a noite ficaram rolando mil questões e diálogos imaginários. Algo do tipo:

Moça, me desculpe mas está com o contato errado, não sou do Groupon nem do Peixe Urbano, isso aqui não é um clube de descontos.
ou
O Leilão de hoje acabou, senhora, e eu nem participava dele…
ou ainda
A Senhora aceitaria ganhar 30% a menos do seu salário fazendo o mesmo trabalho?

É claro que não disse nada disso mas nada me impede de pensar com humor nessas opções.
Acho negociar super válido, divido meus valores em até 10 vezes pra quem realmente quer o trabalho mas, por favor, me valorize.
Fotografar é um estilo, é uma forma de ver o mundo.
Cada um sabe o valor do que faz, eu sei o meu valor.
Trago comigo não só uma formação como fotógrafa (sim, eu posso dizer que sou profissional, sou habilitada, formada, com orgulho), muitos workshops, muito estudo de técnicas mas, muito mais que tudo isso, trago meu coração que fica ali, aberto, a cada evento que faço. E o valor aos meus sentimentos só eu posso dar.

Quanto a dor e a delícia, pra minha sorte tenho infinitamente mais delícia e é ela que me faz passar pela dor com muita paciência.

Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail

Santa Caipirice

Santa Caipirice 2015 Campinas

Você passou dias procurando pelo vestido mais lindo pra deixar sua pequena perfeita pra festa.
Incrementou com rendinhas, laçarotes, pra torná-lo só dela, algo único.
Fez a maquiagem perfeita (aquela nem tão forte nem tão fraca, afinal, em dia de festa pode um pouquinho mais) e quis apertar as bochechas com aquelas pintinhas. 
A camisa xadrez levou um lencinho no bolso, a calça com a barra dobrada pra fora teve seus remendos feitos com os tecidos mais coloridos e o chapéu de palha foi escolhido a dedo mesmo sabendo que ele não pararia na cabeça do maluquinho por mais que segundos. 
Ah, que caipirinhas lindos…
E tudo isso pra um só dia! Uma dança, brincadeiras… e fotos em movimento.
Sei bem como é… fotos lindas que marcam esse dia e que ficarão guardadas com todo carinho.
Mas você jura que não ficou com um gostinho de quero mais? 
Essa é uma sessão pra vocês, pais de um caipirinha “chique no úrtimo estágio”. 
A sessão é rapidinha e é tão divertida que parecerá ainda mais rápida.
E você viu o precinho? Coisa de “cumadí”, vai? 
Desta vez você só não faz se não quiser.
Vem se divertir comigo, vem…
Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail

Mãe de Jujuba

Ontem foi Dia das Mães!
Fiquei me coçando pra resistir a postar uma mensagem comercial, melosa, dessas de mãe de comercial de margarina.
Eu poderia ter feito isso, ganharia mil likes no facebook, inflaria meu ego… enfim, dormiria feliz.
Será?
Eu gosto de mães reais!
Mãe tem olheira porque muitas vezes passa as noites acordada. Mãe de verdade não está sempre com o cabelo escovadinho, com a roupa limpinha.
Nas fotos pode até parecer que sim porque, sem modéstia, fotografo mães lindas.
Mas o que acho mais bonito nelas é o sorriso, o abraço apertado e os olhos, ah, os olhos que brilham, esses sempre me deixam boba.
Por isso esperei até hoje pra homenagear as mães.
Porque como ontem, hoje é dia das mães, e cada dia do ano também é.
Mãe não tira férias, a maternidade é pra vida toda.

Pra homenagear as mães vou colocar aqui fotos da mãe de uma Jujuba. 

Não, o nome da criança não é Jujuba, a Cris é maluquinha mas não tanto. Ela é mãe da Luiza, que tem pouco mais de um mês hoje (e quem acompanha meu facebook já a viu na sessão newborn).
A Luiza é Jujuba pra mim, uma Jujubinha Saltitante, porque desde que a Cris me contou que estava grávida esse pontinho de gente já provocou um rebuliço na vida dela.
Foram muitos enjôos, muita mudança. E aí eu disse pra Cris que a Lu era uma Jujubinha Colorida Docinha Saltitando desde a barriga.
A Cris é uma super amiga, minha amiga de faculdade que entrou na minha vida como um arco—íris e me trouxe alegria com seu jeito baladeiro / fashion de ser.
É aquela menina que me fazia rir entre uma aula e outra virou uma mulher super responsável (e pensar que a certinha era eu), linda e segura.
Hoje ela é uma mãe, super mãe, de uma criaturinha feita de algodão-doce, com o narizinho arrebitado e cheia de personalidade.
Essas fotos tem uma luz que não consigo explicar.
Não é só a luz do sol de uma manhã perfeita, é uma luz que vem dos dois.
De nada me valeria a técnica sem emoção.

Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail
cristiane - 12 de maio de 2015 - 4:25

Chorei com as palavras! Seu carinho por nós é ímpar! Obrigada do fundo do coração! Bjo bjo

Mais amor, por favor

Hoje mostrarei poucas fotos!
Sei que quem entra aqui vem pra acompanhar meu trabalho e por isso resolvi escrever pra falar sobre algo que me incomoda muito no meio fotográfico: a competitividade.
É claro que todo meio tem concorrência, que isso é saudável e bla,blá,blá…
Não vou dar uma de Madre Teresa e dizer que nunca fiquei irritada com isso. Pôxa, sou humana, fico irritada sim.
Não com preços mais baixos por cada um sabe o quanto merece ganhar e não questiono isso.
Meu valor é x, se o de fulano é y e você prefere pagar menos ou mais, perfeito! Talvez você seja cliente pra fulano, não pra mim. Quero atrair clientes que queiram o meu trabalho, que gostem do que eu faço e tenham prazer ao folhear o álbum depois.
E, sinceramente, tem clientes pra todos.
Me irrito com a falta de amor!
Sim, existem pessoas que se dizem profissionais e que estão nisso por dinheiro e só, sem nenhum amor pelos clientes e isso me irrita demais porque essas pessoas não percebem que estão lidando com a vida de outras, com a história, o que será mostrado por gerações. Esse descaso me irrita sim!
E essas pessoas geralmente se fecham, querem a fama a qualquer custo e lidam com todos como se fossem concorrentes.
Penso diferente… eu acredito no ser humano.
Como amo falar sobre fotografia e admiro o trabalho de muitos fotógrafos tento entrar em contato, marcar um café, conversar pela internet mesmo… e assim conheci muitas pessoas especiais em workshops que participei e pela internet.
São pessoas que felizmente pensam como eu e que participam de uma espécie de “corrente do bem”. Nós nos indicamos porque nos admiramos.
É claro que a concorrência existe mas ela é saudável porque sabemos que nossa competência é muito superior a isso, não temos medo do outro, dos que cobram baratinho, dos que fazem trabalhos sem amor.
Essa é a diferença, amamos o que fazemos.
Poderia citar aqui vários nomes de pessoas que conheci nos últimos anos com as quais mantenho esse contato super saudável. Mas hoje não, hoje vou falar de uma só.
A Cacá Dominiquini é uma doida, aceleradíssima. Tão acelerada que chega a ser meu oposto apesar de nossos apelidos serem praticamente iguais.
Ela se tornou minha amiga, fomos unidas pela nossa paixão. É claro que nem tudo é perfeito, discordamos de muitas coisas, discutimos sobre outras mas sempre acabamos nos entendendo.
Eu falo pouco sobre política, ela fala muito.
Ela se preocupa com a crise, com os fotógrafos que cobram baratinho, eu tento explicar que eles não interferem no nosso trabalho porque os clientes deles são outros, o trabalho deles é outro.
Ela quer aprender, como eu, quer fazer cursos, investir em informação. E podemos passar horas conversando quando focamos nisso.
E passamos muito tempo conversando… pela internet, por telefone. Trocamos idéias sobre trabalho, sobre clientes, sobre vida.
Ontem trabalhamos pela primeira vez juntas. Ela me quebrou um super galho e fez com que minha noite fosse muito mais gostosa.
Sem saber, ela participou de um marco na minha vida, um dia super importante, o dia da minha volta aos aniversários.
Pra quem não sabe – ou não lembra – sofri um acidente doméstico e quebrei a perna faz 2 anos e 4 meses e tive que parar de fotografar aniversários. Meu marido, o Fá, sempre fez as festas comigo então ele assumiu 100% essa parte do estúdio, eu ficava no tratamento das imagens, diagramação dos álbuns e atendendo as fotos de estúdio mas ontem bateu o desespero, o bichinho danado da dengue o pegou e tínhamos uma festa pra fazer.
Não qualquer festa, a festa da Bia, uma cliente super importante, lindíssima, com a família mais fofa do mundo.
O que fazer?
Ainda não estou liberada pra ficar 4 horas em pé mas resolvi ir mesmo assim (pôxa, era a Bia, cliente mais que especial que acompanhamos desde pequenina). À tarde, na internet, conversei com a Cacá e ela disse: “Amiga, eu te ajudo”.
E me ajudou, mais que me ajudou, me apoiou, esteve comigo nesse momento tão importante fotografando uma festa linda, em um lugar lindo, com as pessoas mais adoráveis do mundo.
E foi perfeito!
Foi perfeito porque existe concorrência sim mas a amizade é muito maior. Aprendemos juntas!
É muito bom poder confiar em alguém, ver que “parceria”é muito mais do que uma palavra.
Quero fazer muitos trabalhos divertidos assim, onde a alegria fica acima de qualquer outra barreira.
A arte venceu e o amor pelo que fazemos se sobressaiu em imagens lindas.
Estou vendo as imagens aqui e elas se misturam, se complementam, são perfeitas como foi nossa noite!
Ah, e nessa brincadeira ganhei várias fotos de bastidores que serão reveladas e guardadas com muito carinho!
Pra quem não conhece, apresento-lhes  a Cacá
E aqui estão as fotos que ganhei de presente
Voltar ao início Entre em contato Envie para um amigo Tweet this Post Receba o blog por e-mail
Cacá Dominiquini - 26 de abril de 2015 - 23:44

Amei, fiquei muito emocionada com seu post! Eu ameeeeei!
Fiquei muito feliz em poder te ajudar, vc sabe, vc mora no meu coração!
Espero que nossa amizade nos de muitos momentos felizes, como os que tivemos nessa festa linda!
Beijos com carinho

Juliana Siolin - 26 de abril de 2015 - 23:54

Como eu poderia ler esse lindo depoimento e não dizer nada? E pensar que ontem mesmo contei para a Caca Dominiquini que conheci você por indicação da Kelly Stein… nada mais apropriado!
Só tenho que te agradecer por ter voltado às festas para fazer as fotos da minha filha, sei que se verdade você fez esse esforço de coração. E obrigada à Caca que é uma graça de pessoa!
Esse tipo de tratamento nao tem preço!
Beijossss
Juliana Siolin – mãe da Bia

kkpillat - 27 de abril de 2015 - 2:42

Ju, é a corrente do bem funcionando à toda!
A Kelly é uma fotógrafa perfeita e uma pessoa melhor ainda. Desde que nos conhecemos admiro o trabalho dela.
Imagine a felicidade de ser indicada por alguém que você admira… é muito bom!
Fotografar a Bia foi um prazer! A alegria e a personalidade forte dela fizeram meu dia muito melhor!

kkpillat - 27 de abril de 2015 - 2:44

Cacá, acordei pensando em escrever!
Obrigada por estar comigo nesta festa… e que venham muitas festas iluminadas como esta para nós.
Espero que o post seja um incentivo para que as pessoas se unam mais, somos a prova que dá certo e é muito bom dividir pra somar.

Carol Guerra Fadiga - 27 de abril de 2015 - 14:56

Que D+!!!

Falei sobre isso ontem com a Cacá. Também sou fotografa e compartilho desse sentimento! Tenho vários amigos fotógrafos nos ajudamos sempre, seja em situações como essa que precisei ir fotografar junto ou apenas em algumas dicas aqui ou ali. Sempre que aparece cliente novo e eu já tenho a data tomada, fico triste em não poder atende-los mas indico fotógrafos amigos e quando esses clientes fecham com quem eu indiquei a alegria é imensa! De alguma maneira ajudei o cliente e também meu amigo e sei que o cliente terá lindas memórias =)

Parabéns pelo post e precisando! Estamos aqui =)